Parafernalhas Toscas e Bizarrêscas


03/03/2012


Fui para http://parafernaliasbizarrescas.blogspot.com/

Vou tentar escrever mais vezes...

Escrito por Angel às 13h13
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

29/10/2011


A CURA

Parei de tomar palhacitos. Depois de 3 anos o médico falou que eu estava curada!!!!Não preciso mais de remédios para a felicidade. As vezes sinto que passei 3 anos anestesiada, não ficava triste, nunca. As vezes me dava uma melancolia que durava 1 ou 2 dias, mas passei 3 anos sem ficar triste de verdade. Não que seja bom ficar triste, mas fico aqui pensando que nesses 3 anos perdi a vontade de escrever aqui no blog. Perdi a capacidade de analisar a vida criticamente, perdi a inspiração.

Agora estou de volta!!!!

Me sinto viva de verdade!Sentindo tudo com intensidade novamente. E estou triste, mas estou feliz por estar triste, porque estou sabendo lidar com minha tristeza. Estou me sentindo solitária, como sempre fui. Mas estou vivendo minha vida solitária da melhor maneira possível. Encontro prazer em pequenas coisas: no meu trabalho, na companhia dos meus amigos e da minha família, nos esportes, etc. Antes esperava muito da vida, agora só vivo. Sem grandes espectativas, vivendo um dia de cada vez, sem pressa, com planos realizáveis, tudo dentro das possibilidades. E não é ruim viver assim.

E estou feliz porque minha vontade de escrever voltou. Angela Fênix!Ressurgi das cinzas e estou pronta pro que der e vier.

Escrito por Angel às 17h20
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

05/06/2011


Meu namorado

Como o dia dos namorados está chegando e sempre me faz refletir por que meus relacionamentos anteriores não deram certo, decidi escrever sobre meu futuro namorado.

Eu quero um namorado:

Que tenha facebook pois não precisa esconder nada de ninguém.

Que não tenha vergonha do meu jeito, da minha risada, do meu modo meio maluca de ser.

Que tenha pelo menos 90% de certeza de que gosta de mim.

Que não ache ruim quando eu levanto o dedo do meio e faço 'fuck you' para motoristas folgados.

Que não tenha namorada, muito menos esposa.

Que me abrace pelo menos 1 vez no dia.

Que goste de rock e cerveja.

Que não se importe que eu fale palavrões.

Que goste de animais e que não tenha alergia a gatos.

Que não queira que eu seja bombada, ou peça pra eu tomar sol pra ficar mais morena.  

Que não tenha ex-relacionamentos mal resolvidos, ou ex-amores não superados.

Que seja engraçado e goste que eu seja engraçada.

Que goste de conversar comigo e goste da minha companhia tanto (ou até mais) quanto de seus amigos.

Que não queira que eu substitua sua mãe.

Que não tenha medo ou vergonha de me apresentar pra família e amigos. E quando apresentar, que seja como namorada (não como amiga).

Que não fique puto se eu, sem querer, bater a porta do seu carro um pouco mais forte.

E que não precise de 1 ano pra decidir se quer ou não me namorar.

Sem mais,

Angela.

 

 

 

Escrito por Angel às 15h03
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

24/02/2010


Iron Maiden

Na semana passada um amigo me deu de presente um CD com todos os álbuns do Iron Maiden. Passei o final de semana todo ouvindo. Tinha esquecido como Iron é bom. Todas as músicas são boas.

Lembro até hoje a primeira vez que ouvi Iron, tinha uns 16 anos, estava indo com minhas primas e uma galera para Goiás, minha prima Juliana estava dirigindo e já era noite, todo mundo estava dormindo e ela tinha colocado uma fita (naquela época era fita cassete, rs) com várias músicas que havia gravado para viagem. Só eu estava acordada, quando começou a guitarra do início da Fear of The Dark e logo em seguida a voz do Bruce Dickinson: “I am a man who walks alone...” fiquei em  êxtase, nunca tinha ouvido aquela música e foi amor a primeira ouvida. “De quem é essa música?”. Iron Maiden.  

Eu gostava de rock, sempre tive uma tendência a gostar de rock. Lembro que com 14 anos pedi um walkman de natal e 1 fita: uma coletânea do Little Richard. Escutei aquela fita umas 300.000 vezes. Foi aí que começou meu amor pelo rock n’ roll.  

Posso dizer que no início da adolescência fui metaleira. Daquelas que voltava pra casa com o pescoço doendo de tanto bater a cabeça nos shows. Usava preto, jeans rasgado e coturnos. Depois fui tendo outras influências: rock industrial, punk, hardcore, progressivo, classic rock, jazz, etc.  Hoje gosto de rock n’ roll em geral. Já fui em grandes shows: Red Hot, Iron Maiden, AC/DC, Wishbone Ash, Satriani, Muse, Raimundos, etc.  

E hoje gosto de muitas bandas, mas tinha esquecido como Iron é bom. Esse final de semana foi nostálgico. E agora volto a dizer que minha banda preferida é o Iron Maiden.

Escrito por Angel às 20h02
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

30/11/2009


Terminando o ano.

Faço aqui uma avaliação do ano 2009. Não posso dizer que foi um ano horrível, na verdade vivi muitas coisas intensas neste ano. Tiveram coisas bem ruins...Minha gata Athena morreu no começo do ano, minha tia Mag querida faleceu no meio do ano, tomei um pé na bunda e ainda tive que ouvir, depois de 1 ano juntos, que ele nunca gostou de mim. Fui assaltada, me estropiei. Teve fusão na empresa onde trabalho, fui parar em uma área nova e estranha com gente esquisita, passei nervoso, chorei e me descabelei.

Porém sempre tem as coisas boas, que fazem a vida valer a pena, fiz viagens maravilhosas, fui para Buenos Aires, Cunha, Rio de Janeiro, etc. Fui em grandes shows: Iron Maiden , A-HA, AC/DC. Fiz novas amizades, conheci gente legal pra caramba e meus amigos sempre estiveram do meu lado. Em todos os momentos, bons ou ruins. Amadureci, me tornei uma pessoa melhor. Tomei porrada, cai, levantei. Superação. Evoluí na minha vida profissional, hoje já sei o que quero. Não estou mais perdida.

Estou vivendo meu melhor momento, mesmo tendo passado por situações ruins. Hoje me dou valor, mais do que nunca. Sou capaz. Capaz de ser bem sucedida, capaz de amar e ser amada de verdade, de viver bem, sempre. Capaz de dar a volta por cima, de me sentir bonita e inteligente. Capaz de não deixar os outros me deixarem mal ou pra baixo. Capaz de superar minhas perdas, de não sofrer por bobagem. Lógico que tem momentos que fico triste, mas não deixo esse sentimento guiar minha vida. É normal ficar triste, mas não é normal ser uma pessoa triste.

Não desejo muita coisa para o ano de 2010. Desejo que seja um ano como 2009, mas sem as partes tristes. Não vou fazer promessas impossíveis, não vou prometer parar de fumar, renovar minha carta ou emagrecer 5 quilos. Posso tentar fumar menos, tentar me alimentar melhor e faltar menos na academia. Vou tentar levar as coisas que devem ser levadas a sério, mais a sério. Vou tentar não levar a sério as coisas que não devem ser levadas a sério. Vou tentar ajudar mais pessoas. Vou voltar para o inglês e vou tentar ir em 80% das aulas, vou tentar ignorar as grosserias do meu irmão e tentar não tocar em assuntos polêmicos com ele como: música, empregos, religião, futebol e/ou política, vou tentar maldizer menos, vou tentar evitar as pessoas que fazem de tudo para que eu me sinta mal ou diminuída, vou tentar voltar para minhas aulas de dança do ventre, quero tentar amar de novo, quero que tentem me amar. 

A vida é boa e cheia de possibilidades. Que venha 2010!

Escrito por Angel às 20h10
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

23/09/2009


Sempre que vou escrever algo penso primeiro no título, hoje quero fazer o contrário, quero escrever tudo que está na minha cabeça e só depois decidir um título. Na verdade deveria viver minha vida através desse conceito, viver primeiro e só depois dar um título.

Estou diferente, minha vida anda diferente. Me sinto estranha, posso dizer que na maioria dos dias estou bem, não posso dizer que estou infeliz, ando vivendo sem analisar muito, somente vivo, mas tem dias que me dá uma angústia, um aperto no peito que não sei explicar. Sinto vontade de gritar, de sair correndo, de largar tudo que estou fazendo. As vezes penso que o problema está em mim, as vezes penso que o problema está nos outros. Na verdade o problema está em todo mundo. Todos têm suas mágoas, suas feridas, algumas já curadas, outras ainda abertas, todos têm seus medos e acima de tudo, todos são egoístas, estão em busca da própria felicidade. Acho justo. E assim vamos, seguindo a vida, numas vezes ferindo, noutras sendo feridos. A vida é uma guerra.

As vezes quero entender tudo, mas não dá. A vida não é pra ser entendida, as coisas simplesmente vão acontecendo, boas ou ruins. E a gente vai sendo levado. Eu queria poder querer, mas preciso aprender a aceitar. Pode ser um pensamento comodista, mas é melhor, é garantia de paz. Mesmo assim a angústia me pega, minha angústia beira o desespero. E são nesses momentos que não sei o que fazer, quero ficar 3 horas debaixo da chuva, quero pegar o primeiro avião pra Timbuktu, quero arrancar a minha pele e os meus olhos, quero fazer alguma coisa para a angústia sumir.  São nessas horas que percebo que sou só. Tenho amigos, família, mas no final sou só. Eu trancada dentro da minha prisão chamada corpo. E minha alma fica querendo fugir, sinto ela arranhando, empurrando, desesperada para sair.

Reparei que quando estou apaixonada minha alma se aquieta um pouco, ela fica calma por um tempo, é como se o sentimento deixasse minha alma anestesiada. Mas dura pouco, e minha alma volta a se inquietar. Atualmente estou sem paixões, gostaria de me apaixonar, mas ando sem vontade. Estou com preguiça. Quero mesmo é ficar em paz. Não quero ter repentes de desespero. Não mais. Ando cansada.

Muitas pessoas me decepcionaram, e gostaria de perdoá-las, mas não consigo e isso me faz mal, pois o perdão trás paz para quem perdoa. Quero me sentir em paz. Mas só consigo guardar rancor, fico tentando entender o que tenho de errado para estas pessoas terem me ferido tanto. As vezes queria me amar mais, pois dizem por aí que quem se ama, sofre menos. Ninguém tem coragem de ferir alguém que se ama. Só machucam os que não se amam tanto assim...Eu devia ter me apaixonado por mim. Ah se eu pudesse voltar no tempo, tanta coisa seria diferente, talvez eu fosse mais feliz. Mas não se volta o passado, e nem se prevê o futuro. O lance é viver o presente da melhor maneira possível...Estou tentando. Um dia de cada vez, cada dia como se fosse o último.

E finalizo aqui meu texto, sem título nenhum.

Escrito por Angel às 23h17
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

26/08/2009


Espiritualidade.

Sou católica, mas não praticante. Faz tempo...

Fiz primeira comunhão, era a melhor da turma, pensei até em ser freira. Mas eu era muito nova e ainda não conhecia as coisas boas da vida, nem tinha pecados. Me decepcionei com a religião católica, pois não consigo pensar em um Deus mau que pune e dá castigos. Consigo pensar em um Deus bom, que perdoa e ensina. Fiquei um tempo sem acreditar em nada, acreditava que meu cérebro que fazia eu ser eu, e quando morresse tudo acabaria e ponto final. Mas ultimamente ando pensando e muito, a ponto de perder o sono. As perguntas clássicas de todo ser humano pensante: qual o sentido dessa vida? Qual é a minha missão aqui? Por que umas pessoas sofrem tanto e outras tem a vida tão boa? Não é possível que não exista algo maior, não é possível que depois da morte não exista nada. A vida não teria sentido.

Estou lendo um livro interessante que chama “As Professias de Tuthankhamon”, que faz uma analogia entre as civilizações maias e egípcias e os mistérios por trás das pirâmides, as mensagens secretas, etc. Eles tinham muito conhecimento sobre astronomia, arquitetura, medicina. E o autor diz que por trás de tudo aquilo existia uma força maior (Deus?). E depois ele fala de reencarnação, que o homem tem que retornar várias vezes até atingir a perfeição e assim encontrar a paz eterna. E a cada reencarnação ele passa por vários desafios, em algumas vidas ele tem uma vida boa e vem em um corpo privilegiado, ou seja, nasce rico e bonito. E aí está a provação: ele pode ser humilde e bom, ou pode usar a riqueza e a beleza para saciar seus desejos e humilhar os outros. E em outras vidas ele vem pra sofrer e assim aprender com o sofrimento. Até que faz sentido.  

E ando pensando, vivo minha vida em função das minhas vontades: eu quero, eu preciso, etc. Sinto raiva, desejo mal pras pessoas que me fizeram mal, implico com algumas pessoas só por elas serem diferentes de mim, sinto raiva de mulheres mais bonitas, sinto raiva de pessoas mais inteligentes, sou um poço de raiva. E isso me torna uma pessoa horrível. No livro fala que somos tentados o tempo todo, somos guiados pelos nossos desejos e/ou vícios: paixão, vaidade, gula, luxúria, álcool, drogas, etc. E que a sabedoria está em saber passar por cima dessas coisas e cultivar a bondade e humildade. Mas é difícil!!!!Como é difícil. Difícil desvincular da futilidade, dos vícios, da vontade de não envelhecer, de ser a mais bonita, de não aceitar a rejeição, de ser egoísta, de sofrer por coisas bestas e sem importância.

Ando me policiando, tentando ser uma pessoa melhor. Quero ser uma boa pessoa, para não ter que passar por isso de novo. Pra mim essa vida já está suficiente, não quero voltar. Quero morrer e ficar em paz.


Escrito por Angel às 21h03
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

11/08/2009


Cansaço

Ando cansada sabe.

Estava pensando que no final a mulher conquistou espaço no mundo masculino, mas continua se dando mal. Se o homem está de mau humor é porque ele está sendo pressionado ou está sobrecarregado, se a mulher está mal humorada é porque é mal amada ou está na tpm. Homem se está solteiro é pegador, mulher se está solteira é porque é feia e/ou problemática.  Homem que pega mulher jovenzinha é garanhão, mulher que sai com cara mais novo é ridícula. É normal homem casado ter amante e dar em cima de outras mulheres, mulher casada tem que ficar em casa e se trai é pecado mortal.

Esses dias tive que ouvir, além dos absurdos que sempre escuto, que o chefe de um setor X preferia contratar homens ao invés de mulheres, porque ‘mulher arruma emprego pra casar’. Eu falei: “Mas que absurdo!”. E o cara respondeu: “Mas é verdade! Mulher larga o emprego depois que arruma marido ou filho e também tem que ver que mulher fica afastada um tempão porque está grávida”.

Esse mundo está perdido. E fico mais triste a cada dia vivendo nele.

Escrito por Angel às 23h43
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

05/08/2009


Onde está o senso de humor?

Estou trabalhando num lugar que as pessoas não têm senso de humor. Isso é muito triste, é de morrer. Sinto como se eu estivesse naquele clipe do Pink Floyd “Brick the wall”, onde aparecem aquelas crianças apáticas e sem rosto andando em fila e se jogando num moedor gigante de carne. Hoje mesmo, sai pra fumar um cigarro e esqueci meu celular na minha mesa, tenho diversos toques de celular bizarros, isso é fato. E quando minha mãe me telefona toca a música do He-man do Trem da Alegria, é tosco, eu sei, mas é engraçado. É intencional, é inesperado, é pra fazer rir. E o meu amigo, veio me dizer que quando o celular tocou todo mundo fingiu que nada estava acontecendo, e alguns até fizeram cara feia. Imagina, se eu estou trabalhando e escuto um celular tocando uma música non sense acho que me acabo de tanto rir.

Estou em um lugar que parece um túmulo gigante, raramente escuto risadas, as pessoas me olham torto por eu ser assim ‘espontânea’. Não que todos sejam assim, algumas pessoas ainda prezam o bom e velho senso de humor, mas a grande maioria dos ‘sem-humor’ engole e cala essa espécie em extinção. Isso se nota até para promoções ou cargos de confiança, quem eles irão escolher? O cara que tem senso de humor e consegue tirar coisas engraçadas mesmo em momentos de tensão, ou o cara ultra sério que não expressa sentimento nenhum?

Eu fico pensando, pra onde estamos caminhando? O que esse mundo vai virar? E cada vez tenho mais vontade de fazer coisas non sense pra ver se acordo essas pessoas, se tiro elas do transe. O problema que por ser diferente e espontânea as pessoas acabam te tachando de louca. Mas me recuso a ser censurada pelos ‘sem-humor’. Me recuso! Confesso que tem horas que dá vontade de se entregar. Entrar muda e calada e sair apática e apagada. Mas todos os dias penso: “ELES NÃO VÃO ME TRANSFORMAR EM UMA PLANTA!” e vou seguindo com as minhas espontaneidades, palhaçadas e atitudes non sense.

O humor não pode morrer! Senão o mundo vai ser um lugar insuportável pra se viver. Peço que pelo menos uma vez ao dia riam de algo besta, imaginem uma situação engraçada. Prezem o senso de humor.  

Acho que essa falta de senso de humor no mundo anda me deixando mal-humorada...

Escrito por Angel às 22h56
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

27/07/2009


Just a little bit harder

Estou vivendo tempos estranhos. Estou totalmente anestesiada, não sei se isso é bom ou mau. Durmo às 9 da noite, acordo 9 da manhã. Treinei para não parar de respirar. Todo dia tenho que lembrar de respirar. “1,2,3 respira!”. Levanto da cama como um zumbi e ligo o chuveiro. A água cai sobre meu corpo e são nesses momentos que percebo que estou viva. Ainda estou viva. Sou uma sobrevivente. Estou cheia de cicatrizes, pelo corpo todo, pela alma inteira.

Vou. Sem saber direito pra onde, mas vou. Continuo minha jornada. Tem dias que acordo bem, em outros,acordo triste. Tenho vontade de inundar o mundo. Chorar tanto até inundar tudo. Tem dias que corro sem parar, são nesses dias que me sinto viva de verdade, quando sinto minhas pernas doendo, sinto o suor escorrendo. E por incrível que pareça ainda consigo me sensibilizar com algumas coisas, isso é bom, significa que ainda não virei uma rocha. Os pequenos prazeres da vida ainda me dão prazer, ainda me fazem sorrir. Que bom, não estou morta ainda.

A vida é assim mesmo. Uns dias felizes, outros nem tanto. Mas prefiro os dias felizes. Sempre.

Escrito por Angel às 20h55
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

24/06/2009


DOA-SE FILHOTINHOS DE MONSTRO

Crio um monstro em casa.

Um dia achei um ovo, perdido na rua. Levei pra casa, podia ser um bem-te-vi. Enrolei o ovo num cobertor e deixei dentro de uma caixinha de sapato. O ovo ficou lá durante 3 dias, e a noite eu escutei um téc-téc-téc. Fui correndo ver o ovo, e ele estava pulando TÉC-TÉC-TÉC e de repente CRÓCKT! Olhei e vi uma pata saindo do ovo, não uma pata ave, mas uma pata de gato! Vi a patinha branquinha cheia de unhas afiadas empurrando a casca do ovo, depois uma orelha saiu e logo em seguida apareceu uma cara branquinha com 2 olhões azuis e nariz rosinha. "Que coisa mais linda meu Deus!". O gatinho saltou de dentro do ovo, olhou pra mim e fez: "MIAU". Estiquei a mão pra fazer cafuné, e NHACT! Ele mordeu o meu dedo, arrancou um naco e doeu a beça! "Gatinho malvado!"

Ele saiu correndo pela casa, miando, correndo e soltando labaredas pelo focinho. Labaredas pelo focinho? É. Chamuscou minha cortina, chamuscou a colcha e o sofá. Além do mais estava esfomeado, comeu um pedaço do microondas e uma lasca do armário. Ia abocanhar minha gata Cloé, quando decidi dar um basta naquilo. "NÃÃÃÃÃÃÃO PODE!". O gatonstro (gato + monstro) parou, olhando pasmo e boquiaberto pra mim, a Cloé estava paralisada de medo e indignação e eu estava totalmente confusa com aquele novo ser destruindo o meu apartamento. "O que vou fazer?", pensei. Não posso ligar pro IBAMA, nem pro Greenpeace, muito menos pra UIPA, pois essa criatura não se encaixa em nenhuma definição zoológica. E é bem capaz de acharem que é um alienígena e realizarem experimentos cruéis. Coitadinho do bichinho, até monstros têm sentimentos! 

Decidi ficar com o monstro. Ele destruiu meu apartamento, tenho que alimentá-lo a cada 2 horas com 7 kg de frango, a Cloé está fazendo terapia e eu estou ficando louca. Ele não me deixa dormir, não me deixa comer, não me deixa fazer nada.

E descobri que não é um monstro-macho, é um monstro-fêmea! Pois botou 3 ovos em cima do meu travesseiro. E está chocando a uma semana. Chamo o ex-monstro, agora monstra, de Flora. E não sei quanto tempo leva pra chocar um ovo de gatonstro. Espero que demore, pois tenho que achar quem queira adotar filhotes de monstro.

Então este post-anúncio é para doar monstrinhos. Se você tiver interesse ligue para: 7171-707070.

* * *
Aimeodeus, acabei de ouvir téc-téc-téc vindo lá do meu quarto...

Escrito por Angel às 22h40
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

16/06/2009


Sabedoria, Esnobismo ou Pura Maldade?

Eu não entendo. Algumas pessoas têm necessidade de se sentirem superiores a qualquer custo. Mesmo que para isso tenham que diminuir outras. Admiro quem é inteligente, gostaria de ser muito inteligente, ter QI acima da média, gostaria de aprender coisas com facilidade. Mas não sou assim. Sou normal, para aprender preciso estudar, me dedicar, as vezes demoro para entender algumas coisas. Tenho dificuldade em aprender línguas. Fiz minhas primeiras aulas de inglês aos 10 anos de idade, mas não tive paciência. E desde então sempre que iniciava um curso de inglês, achava uma chatice e desistia das aulas. Não via sentido em aprender algo que não iria usar.

Agora preciso do inglês. Agora é imprescindível para o meu emprego. E me arrependo de não ter me dedicado com afinco ao curso de inglês. O mercado está muito competitivo, a molecada de hoje está afiada, falam fluentemente 2, 3 línguas. São espertos, passam os finais de semana jogando playstation. E eu me sinto um peixe fora d'água. Sou da velha guarda, old school. Me divirto tomando uma cerveja com meus amigos, me divirto assistindo um show de rock. Mas isso não vem ao caso, cada um se diverte do jeito que acha melhor. Na verdade estou escrevendo tudo isso porque quero entender porque pessoas tão inteligentes, que falam mais de 2 línguas e etc, têm necessidade de usar a inteligência para fazer outras pessoas se sentirem mal. Por que acham que são melhores que os outros? Inteligência é qualidade sim, e se bem usada pode mudar o mundo para melhor, mas quando usada para diminuir ou humilhar os outros não é nem um pouco legal.

Ando sofrendo o preconceito com os sem-língua. Na verdade não é bem um preconceito, mas é o lance de cuspirem o tempo todo na sua cara em inglês, espanhol e até mesmo francês. Merci, vouz le vouz, plié, pax de deux e o escambau. Umas coisa é usar o inglês para se comunicar, outra coisa é usar o inglês para se mostrar. "Vejam como sou fluente e não tenho sotaque!", "I speak english very well, I'm the best and fuck the rest". "¡Mira! Yo hablo español. Soy muy inteligente". Um saco.

E eu fico ali no meu cantinho, acuada, me sentindo miserável, diminuída. Como se eu não tivesse evoluído, como se eu estivesse ultrapassada.E lá vamos nós, para mais um curso de inglês. E vamos ver se dessa vez vai. E vamos ver se assim eu consigo me comunicar com essas pessoas esnobes. E se assim eu recebo o devido respeito. Ô vida difícil...

Escrito por Angel às 20h52
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

10/04/2009


Voltei.

Voltei direto do mundo de algodão doce cor de rosa para o meu mundo de lodo e escuridão, velho conhecido de sempre. O mundo de algodão doce rosa era lindo, eu me sentia em paz, sentia que tudo estava no lugar certo.

Agora que voltei, tudo voltou a ser um quadro de Picasso. Mas não me sinto triste. Sinto que voltei pra casa. O mundo de algodão doce cor de rosa que me era estranho, eu estava achando bom, estava anestesiada, mas sabia que lá não era o meu lugar. Meu lugar é aqui. Junto dos ratos, das baratas, dos cães raivosos e tudo que é feio, podre e morto. Eu estou morta.  

Caminho descalça pela escuridão, descobri que não gosto de luz. Escuto gritos de desespero, sinto que todo mundo precisa de ajuda. Todos estão chorando na escuridão. Alguns fingem que está tudo bem, outros usam drogas pra esquecer, outros aproveitam a escuridão para fazer maldades. Alguns tentam sorrir e mostram seus dentes podres, como se estivessem rosnando. Alguns arrancam os cabelos, as unhas ou os próprios olhos.

Ah o caos...

Respiro caos. Vejo caos. Sou o caos.

E no caos me sinto estranhamente bem.

Escrito por Angel às 15h20
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

22/03/2009


Fortinha

Hoje estava lendo algumas reportagens sobre anorexia e bulimia e lembrei como eu sofri muito em busca do corpo "perfeito". Na adolescência cheguei a não sair de casa porque estava me achando gorda. Fazia dietas loucas, passava semanas comendo salada e tomando diet shake. Me matava de fazer esporte, fumava para reduzir o apetite, cheguei a forçar o vômito depois de comer demais. Mas isso passou, essa estranha relação com a comida acabou. Pra falar a verdade eu adoro comer, é um prazer que ninguém devia se abster.

Fico pensando nessa meninas que ficam sem comer dias e ficam tão medonhas e horrorosas com aquele aspecto de caveira ambulante, acho um absurdo, mas sempre lembro que eu já passei por isso. Lembro que queria ser muito magra!Queria usar calça 34, achava lindo não ter bunda, nem peito. Achava lindo que os ossos aparecessem. Estava sempre em busca do "padrão de beleza". Fico aqui pensando, que raios de padrão de beleza é esse, que faz a mulherada ficar dias sem comer, até virar um saco de ossos? E sorte das que viram um saco de ossos e sobrevivem, pois muitas morrem por causa disso. Mas me falem a verdade, alguém acha bonito uma mulher ou um homem esquelético?

Hoje acho lindo mesmo é ter peito e bunda, ter carne! Gordurinha é legal! Eu estou um pouquinho mais cheinha do que eu queria, mas pra falar a verdade não estou incomodada. Falei pra minha mãe ontem: "Estou com curvas renascentistas!". Posso dizer que atualmente sou voluptuosa! Quero emagrecer só um pouquinho, mas não quero passar fome. Vou fazer esportes e isso já me basta. Hoje me aceito assim, com carne e gordura. Ossos aparecendo só se for o ossinho da saboneteira, e já está de bom tamanho!

 

Escrito por Angel às 12h33
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

28/12/2008


Poesia

Um tanto piegas ficar choramingando sobre a vida, pior ainda é transformar em lamúria pública...

Um tanto ridículo ficar refletindo sobre as agruras da vida e sempre se sentir uma vítima.

A vida é ridícula!

É ridícula por passar tão rápido e nos oferecer tantas coisas boas e depois tirar.

É ridícula por nos fazer apreciar tantas coisas e depois nos condenar com a morte.

É ridícula por nos oferecer amor e logo em seguida nos presentear com dor.

Montanha-russa de vida!

Em protesto me visto de preto, deixo os cabelos ao vento e passo lápis preto.

Eu protesto!

As vezes tenho pressa de viver para ver onde tudo isso vai dar,

as vezes tenho pressa em morrer para apaziguar o meu cansaço.

As vezes canso. Ando tão cansada...

Por isso deixo aqui o meu protesto em forma de verso.

Escrito por Angel às 21h44
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Perfil



Meu perfil
BRASIL, Mulher

Histórico